terça-feira, junho 03, 2008

Guilty Pleasures

Bem, isto de se perguntar os guilty pleasures tem muito que se lhe diga, ou não vivessemos num país maioritariamente católico, onde, dilectos leitores, o sentimento de culpa é tudo menos ignorado! É que nestas ambivalências de sentimento religioso, ou total falta de religiosidade, todos nós sabemos muito bem o que é a culpa, e o conviver diariamente com ela.

Teorias aparte, a Cat, a Maria Pilar e a Mikita pupila desafiaram-me para tornar públicos os meus 10 guilty pleasures, esquecendo-se completamente de adicionar a importante vertente superlativa, o que significa que o leitor vai ser presenteado com 10 guilty pleasures aqui da moi même, mas não serão necessariamente os 10 MAIS CULPADOS NEM SEQUER MAIS APRAZÍVEIS!
Posto isto, vamos lá começar!

Anunciação n.º 1, Guilty Pleasure 925 - B - Toda eu é prazer e sentimentos de culpa quando mato uma mosca. É que fico toda contente por ter menos um ser chato, embirrento e nojento a passear-se pelos meus ombros, braços e pernas, mas depois é aquela coisa chata de ter de ir buscar um pedaço de papel, agarrar no que resta da criatura esborrachada, muitas vezes asas para um lado, pernas para outro, e o ventre completamente amarelo e vermelho, e deitar "a coisa que deixou de ser coisa" no caixote do lixo. Dá uma trabalheira desgraçada, mas noves fora, vale a pena.

Anunciação n.º 2 e n.º 3 , Guilty Pleasure 843 - Gosto de quando vou a passear na marginal de pisar só as partes azuis da calçada. Geralmente pareço uma anormal a dar passinhos pequenos ou grandes saltos (é aqui que entra a parte da culpa), mas quem me quiser meter numa instituição psiquiátrica vai ter um trabalhão dos diabos, pelo que me consolo valentemente. Quando vou acompanhada é ainda mais engraçado passar a moda e depois replicar: "Pareces uma criança pequena, devias ter vergonha!" - Isto é o Guilty Pleasure 843 - B - Fazer os outros passar vergonha: é mais forte que eu! Quem não quiser passar vergonha, que tenha a presença de espírito de replicar, nesses caso partilhamos o Guilty Pleasure e quiçá algo mais (um gelado, um gelado! Suas mentes libidinosas!).

Anunciação n.º 4, Guilty Pleasure 747 - Adoro andar de avião. Sinto intensamente todos aqueles momentos que vão desde o avião se pôr em movimento para ocupar um lugar na pista, até o momento em que oiço os reactores a trabalhar e o avião a ganhar altitude. Claro que nestas circunstâncias penso sempre: "Para atingirmos esta velocidade consumimos praí uns valentes litritos destes combustíveis especiais para avião. São uns bons milhares de bichinhos da altura de Crustáceo que deram a vida para que tivessemos petróleo. Esta sociedade consumista, pah, é uma vergonha", mas aí está, continuo a andar de avião sempre que posso, e sou uma acérrima defensora dos animalzinhos e totalmente contra os casacos de peles, se bem que aquelas malas fofinhas de pele de coelho, são assim... fofinhas. Coisas da vida, repleta de contradições.

Anunciação n.º 5, n.º 6 e n.º 7, Guilty Pleasure n.º 456 - Detesto quando desafinam, todo eu me arrepio de puro desconforto... mas depois o arrepio em si também tem uma coisa de engraçado, é uma má sensação boa. É assim a modos que parecido com o momento em que espirramos ou em que nos cortamos na faca do pão: sentimos a faca a invadir território não permitido, o sangue brota escarlate, e só depois é que dói. É de uma ambivalência esquisitíssima, e depois vêem-nos com o penso no dedo, e lá está, mais um silence breaker: "Então cortaste-te? Eu também é assim, constantemente! E quando te cortas numa folha de papel? Ui! Parece que ainda dói mais!" - Guilty Pleasure n.º456 - B e C.

Anunciação n.º 8 , Guilty Pleasure n.º 87 - Há poucas coisas que me dêm mais prazer (para dizer a verdade são exactamente 86) do que dizer uma caralhada em frente de um qualquer copinho de leite acabadinho de me ser apresentado... é vê-los a arrepiarem-se, como que atingidos mortalmente por uma bala perdida. Of course que a bala não era perdida, e o efeito era exactamente o desejado. Mas é feio, é muito feio gozar com a educação simplista dos outros, muito feio brincar descaradamente com a torre de marfim das suas vidas e sistemas valorativos, but I dont give a shit, shame on me... (mas claro, educaçãozinha católita... sinto-me sempre um bocadinho culpada.)

Anunciação n.º 9, Guilty Pleasure n.º 22 - Toda eu me desunho para chegar ao fim de um livro, faço maratonas noite a dentro, chego atrasada às cafezadas, interiorizo uma data de maneirismos altamente reprováveis dos heróis da história, e tudo isto para ler a última sílaba da derradeira palavra do parágrafo final e concluir: "Porra, já acabou! E agora?"

Anunciação n.º 10, Guilty Pleasure n.º1 - Sim, caro leitor, não podia estar a brincar contigo durante este texto tão longo e não te deixar dar uma espreitadela na verdadeira Medusasss. Isto é uma espécie de prémio para os persistentes! Viver dá-me um gozo do caraças, mas não posso deixar de me sentir tremendamente culpada. Quem escolheu que eu nascesse aqui e não na Finlândia, ou na Somália? Quem foi o desgraçado que engendrou que eu tivesse uma vivência pacífica quando há tantos por aí que não merecem sofrer o que sofrem, cujas vidas miseráveis se reduzem a um constante labutar pela sobrevivência, enquanto eu me divirto por aqui, a escrever em blogs, comentar blogs, ver filmes que custaram milhões, apreciar arte de valor incalculável, quando a vida humana afinal tem tão pouco valor. Sim, caro leitor! Quem sou eu para ter tanto e outros nada? Tanto talento, tanta inteligência desperdiçada, tanto sofrimento para ver nascer o sol no dia seguinte, e com sorte no depois desse, e no que se seguirá. É que sou pobre e mal agradecida, tenho o que tenho e ainda me queixo!

Teorias aparte, passo o desafio a:
Marta, Maria do Blog, Tulaunia dear, Trindade, Mokas, Garras e CatDog, e é só porque me apetece! Ai que me sinto tão culpada!

12 comentários:

Mokas disse...

carissima Medusasss, é com um tremendo prazer que eu RECUSO o Vosso desafio, por ter sido previamente desafiado pela "Cabra expiatória".
Sinto-me um pouco culpado... pelo que este é o numero 6.

CatDog disse...

E eu fui desafiado por Sir Lancelot para um torneio e por Lady Guinevere para outro.
A chatice é que não me sinto nada culpado, pelo que nem sequer posso aproveitar a cena como o Mokas...
Não consigo dizer-te não a nada, gaja má.

CatDog disse...

(Fiquei profundamente consternado por te saber capaz de dizeres caralhadas diante de outras pessoas. Sobretudo pelo que isso implica de distorção na imagem que tenho de ti e que assim melhora substancialmente, não porque dizer caralhadas constitua mérito por aí além (digo-as a toda a hora, desde que não haja senhoras presentes na sala) mas porque assim tu não és tão betinha como te imaginava.
Daí a consternação. Profunda.)

Mokas disse...

ok, eu fiquei assim deprimido depois deste post... tive de responder LOGO ao challenge... não aproveitei a cena de me ter sentido mal pois deixou de me dar prazer.... por outro lado fiquei chocado com a imagem da Med da dizer caralhadas... não era coisa que eu imaginasse... a Med? caralhadas? sempre pensei que a Med fosse assim uma daquelas meninas de vestidinho rendado, meias até ao joelho em crochet, cabelinho loirinho encaracolado. Enfim... é a Mundana da desilusão.... só falta dizeres que ouves system of a dawn, e essas coisas assim....
;oP

Trindade disse...

bem, eu fiz há poucos dias :( e como os meus guilty pleasures n têm piada nenhuma, podia tentar de novo, mentindo desta vez... mas fica pá próxima ;)
Obrigado pela lembrança, já eu esqueci-me simpaticamente de ti cof cof...
bjs

Tulaunia disse...

Vá pronto, vou largar aqui as sondagens, barragens e fundações e vou-me debruçar um bocadinho sobre os meus gostosos pecados libidinosos ;)

mik@ disse...

ola med
eheheh esta moça anda possuida :) isto de estares de férias.... vê lá se a greenpeace te vai bater à porta à conta de eliminares milhares de moscas indefesas eheheh
deve ser um mimo assistir a essas cenas dos copinhos de leite (haja alguém que filme isso do proxima vez)
beijocas

medusasss disse...

Mokas, isto desafios não se recusam, quando muito fazes um dois em um ou um trissom e respondes a tudo no mesmo :p
Mas recusa-te, recusa-te! Depois queixa-te!
***

Catdog, chama-me nomes, chama: olha eu tão chateada!
Mas hoje ja foram uns valentes: betinha, gaja má... eheheheheh
Pois, isso das imagens que criamos dos outros... A medusasss apesar de tudo é mais educadinha que a pessoa escondida atrás: a palavra escrita tem mais valor que a palavra falada, e se meto a pata na poça é uma chatice.
Responde lá ao desafio CatDog, e se fores valente pões mesmo os 10 mais fortes e poderosos Guilty Pleasures!
***

Trindade, respondeste? Ora bolas que não li isso no teu blog... Fico triste por isso, não propriamente pelo esquecimento, eu agradeço quando se esquecem de mim nestes desafios pró-intimidade.
***

Tulaunia, um pequenino intervalo faz bem à alma! :)
Beijinhos e bom estudo e bom trabalho!

Mikita, há-os tantos aqui em Coimbra... e sabes como é, uma tipa tira direito e são como moscas: imensas e eu com ganas de os esborrachar!
***

Rita disse...

O teu 1ºGP é simplesmente horrendo, eu sou incapaz de matar uma formiguinha e tu vens para aqui falar em esborrachar moscas, és má. O 2ºGP também costumo "praticar" com as minhas R's que me obrigam. Também gosto muito do Nº4. O Nº5 é tipo uma relação Amor/Ódio. O 8 dá gozo porque deixa os interlocutores desarmados e o 9 é realmente mau, acontece-me o mesmo com as series de TV. O 10 é pertinente mas nunca tinha pensado nisso...
Jokas

Mokas disse...

MEd, jamais recusarei outro desafio... eu sei bem do que tu és capaz...

Cabra Expiatória disse...

Sim sim!!
Ele chegou aqui também!
(o desafio)

Tiveste tantas dificuldades como eu em responder?

Bjoca, minha irmã!

marta disse...

Oi Med! Só agora tive tempo de passear pela blogosfera... Vou pensar seriamente no teu caso.
:D

Bjinhus